sábado, 31 de outubro de 2015

13 fatos fascinantes da vida de São João Paulo II

1. Aos 15 anos quase morreu por um disparo acidental
Um amigo lhe mostrou uma arma, a qual acreditava estar descarregada. Foi quando durante uma brincadeira este amigo apertou o gatilho e disparou bem perto de Karol. Felizmente (ou milagrosamente), a bala não o tocou.

2. Teve uma "namorada" judia durante sua juventude
Seu nome era Ginka Beer, era "uma bela judia, com lindos olhos e cabelos, magra, uma excelente atriz". Embora não possamos descrever com precisão o vínculo entre Karol Wojtyla e Ginka, ela foi primeira e possivelmente a única com quem ele teve um relacionamento.

3. Foi ator e dramaturgo
Era membro de um grupo de teatro e pretendia trabalhar como ator, antes de descobrir sua vocação ao sacerdócio.

4. Aos 21 anos de idade já tinha perdido todos seus familiares diretos
Sua mãe morreu quando ele tinha 8 anos devido algumas complicações durante um parto, seus três irmãos morreram durante sua infância e seu pai morreu de um ataque cardíaco, quando ele tinha 21 anos.

5. Foi atropelado por um caminhão nazista durante a Segunda Guerra Mundial
Em fevereiro de 1944, enquanto voltava do trabalho para sua casa, foi atropelado por um caminhão alemão. Os oficiais alemães se pararam e, ao ver que estava inconsciente e gravemente ferido, detiveram um automóvel para usá-lo como ambulância e levá-lo ao hospital. Ficou internado durante duas semanas. A terrível experiência e sua surpreendente recuperação confirmaram sua vocação ao sacerdócio.

6. Foi detido por soldados nazistas e fugiu escondendo-se atrás de uma porta
Em agosto de 1944, durante um levantamento polonês, soldados nazistas invadiram a sua cidade a fim de prender todos os homens jovens. Ao entrar em sua casa, escondeu-se atrás de uma porta. Os soldados entraram na sua casa, mas não o encontraram e foram embora. Logo se escondeu na casa do seu Arcebispo, onde permaneceu até o final da guerra.

7. Assistiu ao Concílio Vaticano II como Bispo e ajudou a escrever vários documentos
Colaborou na redação do texto final do Dignitatis humanae, o Decreto sobre a liberdade religiosa, e Gaudium et spes, a Constituição Pastoral sobre a Igreja no mundo atual.

8. Foi o primeiro Papa não italiano desde o século XVI
João Paulo II era polonês e não tivemos um Papa italiano a partir dele: Bento XVI é alemão e Francisco é argentino.

9. Como Papa falava 9 idiomas com facilidade
Sabia polonês, latim, grego antigo, italiano, francês, alemão, inglês, espanhol e português. Durante sua juventude, esteve familiarizado com 12 idiomas.

10. Visitou 129 países durante seu pontificado
Isto o converteu em um dos líderes mundiais que mais viajou na história mundial, portanto ganhou o apelido de "Papa Peregrino".

11. Beatificou e canonizou mais pessoas que o resto dos Papas que o antecederam... juntos
Beatificou 1.340 pessoas e canonizou 483 pessoas. Esta cifra supera todos os beatos e Santos canonizados por todos os Papas anteriores a ele em toda a história da Igreja.

12. Foi herói de um gibi de Marvel na década de 80
Assim como ele, a Beata Madre Teresa de Calcutá e São Francisco de Assis também protagonizaram livros de histórias em quadrinho.

13. É o quarto Papa com o título de "o Grande"
Embora o título não seja de maneira oficial e é apenas pelo uso popular, somente outros três papas na história mereceram tal honra: São Leão Magno (440 até 461), São Gregório Magno (590-604), e São Nicolás Magno (858-867).


quinta-feira, 29 de outubro de 2015


Um banda formada por Religiosas.... 
Também as irmãs cantam muito!!!!

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Jovem, linda e talentosa deixa tudo e vai para mosteiro

Depois de alguns anos de discernimento, a jovem professora Stéphanie, de 26 anos, tomou a decisão de sua vida: oferecer toda a sua existência a Deus, entrando no convento. O site Aleteia conversous com ela alguns dias antes do seu ingresso na comunidade beneditina da Abadia de Nossa Senhora de Pesquié, em Ariège, na França.

Aleteia: Quando você descobriu a fé?
Stéphanie: Eu nunca cheguei a “perder a fé”. Após o falecimento da minha irmã, a minha fé que andava meio dormente se reacendeu. Eu comecei profundamente a crer e a desejar progredir espiritualmente na minha vida. Eu perdi uma irmã em 2005, quando ela ia para a Jornada Mundial da Juventude em Colônia. Esse acontecimento, sem dúvida, foi crucial no meu discernimento. A morte dela foi um verdadeiro ponto de virada na minha vida espiritual. Eu me dei conta da importância da nossa vida; que nós estamos na Terra por um tempo limitado, que nós viemos de Deus e gostaríamos de voltar para Ele um dia. Eu venho de uma família católica muito religiosa, mas acho que, até agora, eu ia à igreja mais por rotina e mimetismo.

Aleteia: Quando começou a brotar a ideia de entrar no convento?
Stéphanie: Uns anos depois, em 2008, depois de uma peregrinação, eu senti uma atração de Deus durante a missa e um forte desejo de amá-lo. A partir daquele momento, eu vivi com sede de Absoluto! A ideia de dedicar a minha vida a Ele e entrar para um convento ficou mais premente. Eu senti um verdadeiro amor de Deus, como se eu me apaixonasse por Ele. Eu precisava ir à missa todos os dias, precisava passar o tempo junto com Ele. Esse grande desejo durou apenas alguns meses. Os anos passaram: eu tinha deixado esse assunto de lado, embora ele voltasse de tempos em tempos. Comecei a trabalhar como professora e fui levando a minha vidinha parisiense. Estava feliz, mas não completa. Com o tempo, o desejo de colocar Deus no centro da minha vida foi crescendo. Comecei a fazer oração todas as manhãs e orar a Deus para me ajudar a orientar a minha vida. Então fui fazer um retiro, e o meu diretor espiritual me perguntou por que eu não oferecia a minha vida a Deus. A ideia nunca tinha me abandonado de todo, e, depois disso, virou uma evidência… Mas essa evidência era vertiginosa! Eu sentia sede de Deus, mas a decisão foi difícil diante de uma escolha tão radical.

Aleteia: Quem foi a primeira pessoa que soube da sua decisão?
Stéphanie: Eu fui informar primeiro a diretora da escola, antes mesmo da minha família ou do meu diretor espiritual! Ela ficou de queixo caído. Os meus pais receberam a notícia com alegria e com emoção, mesmo sabendo que nós vamos nos ver menos de agora em diante. Mas eu admiro a coragem e a fé deles. Mamãe me disse que sempre tinha visto os filhos como um presente de Deus e que, no fim das contas, os filhos pertencem a Ele.

Aleteia: Algum santo inspirou você neste percurso?
Stéphanie: Santa Teresa me ajudou a viver o momento presente. Com ela, eu tomei consciência da minha pequenez diante do amor de Deus… São Bento também me guiou desde que tomei a decisão no dia da festa dele. A oração de abandono do beato Charles de Foucauld me agrada de modo especial e eu procuro rezá-la todos os dias.

Aleteia: O que você pensa sobre esta vida que está prestes a ficar para trás: a diversão, o cotidiano, os namoros… Não vai sentir falta?
Stéphanie: Não. E, sendo sincera, isso me parecia um pouco superficial. Não é nisso que você encontra a felicidade; é nos relacionamentos profundos. A minha fé me leva a não viver superficialmente, porque não é nisso que Deus está. Já os momentos com a minha família e com os meus amigos vão me fazer falta e eu estou consciente de estar renunciando a muitas coisas, mas sei que o essencial eu vou encontrar lá, na abadia. É verdade que, aos olhos dos homens, talvez seja loucura abandonar a vida em sociedade, mas não é uma loucura aos olhos de Deus.

Aleteia: O que as religiosas oferecem à sociedade, na sua opinião?
Stéphanie: As freiras se apartam do mundo e, ao mesmo tempo, estão muito presentes nele. Elas se mantêm a par da atualidade e não perdem uma oportunidade de orar por toda a humanidade. As orações deles são importantes. Elas são verdadeiras sentinelas do Invisível: ninguém as vê, e, ainda assim, elas são essenciais para a sociedade. Nós vivemos num mundo individualista, sem pontos de referência, que precisa mais do que nunca da presença espiritual e da oração dos religiosos.

Fonte: aleteia.org