domingo, 27 de março de 2011

Morre pe. José Comblim

O teólogo padre José Comblin, de 88 anos, morreu na manhã deste domingo, 27, no interior da Bahia onde assessorava grupos de base. Segundo padre José Oscar Beozzo, padre Comblin levantou-se cedo, tomou banho, aprontou-se, mas não apareceu para a oração da manhã. Procuram-no e o encontraram-no sentado no quarto e já morto.

“Perdemos um mestre e um guia inquieto e exigente como os velhos profetas, denunciando sempre nossas incoerências na fidelidade aos preferidos de Deus: o pobre, o órfão, a viúva, o estrangeiro. Trabalhou por uma Igreja profética a serviço destes últimos nas nossas sociedades”, lamenta padre Beozzo.

Nascido em Bruxelas, na Bélgica, em 1923, Comblin foi ordenado padre em 1947. Fez doutorado em teologia pela Universidade Católica de Louvaina e chegou ao Brasil em 1958. Em Recife, a convite de dom Helder Câmara, foi professor no Instituto de Teologia do Recife. Expulso do Brasil em 1971 pelo regime militar, padre Comblin exilou-se no Chile durante oito anos, de onde também foi expulso, em 1980, pelo general Pinochet. Voltando ao Brasil, passa a morar na Paraíba, em Serra Redonda. É autor de uma vasta obra. Padre Comblin morava, atualmente, em Barra, na Bahia. “Comblin dedicou praticamente toda sua vida ao povo e à Igreja da América Latina, no Brasil, no Chile e no Equador e em centenas de assessorias por todos os países”, recorda padre Beozzo.

Fonte site CNBB

6 comentários:

  1. Tive a honra de conhecer esse "Homem de Deus e do Povo oprimido", quanta sabedoria, quanta dedicação, quanta lucidez! Deixou grandes e preciosas obras, para mim foi em O Caminho, onde ele me leva para Deus. Saudades do grande mestre, um dos maiores teólogos que tivemos....um ser humano e um verdadeiro Cristão.
    Um beijo em seu coração professor Comblim, sei que está junto de Deus.

    ResponderExcluir
  2. Grande profeta,tive a honra de conhecer sua casa e biblioteca quando morava em Bayeux em 2008.Nós Cristãos oprimidos perdemos um grande defensor.

    ResponderExcluir
  3. Quem teve a alegria de conhecê-lo e beber de sua sabedoria por seus livros sabe o tamanho do vazio que ele deixa. Por isso mesmo, é necessário animar as vocações para despertar e acompanhar os profetas que Deus chama.

    ResponderExcluir
  4. José Luiz Corrêa1 de abril de 2011 17:04

    Não o conheci pessoalmente. Pensava um dia encontra-lo para dizer o quanto o admirava e concordava com ele. Hoje sou um pouquinho ele, que assim como Jesus, não se foi mas, continua no meio de nós.
    José Luiz Corrêa

    ResponderExcluir
  5. Que bom José Luis que vc se percebe e age como discípulo de Comblim... precisamos de mais pessoas assim. Estaremos rezando por vc. Um abraço
    Ir. Clotilde

    ResponderExcluir
  6. Não o conheci pessoalmente, mas pelas suas obras, com certeza o Brasil perdeu um grande teólogo e grande homem, o sueco de alma brasileira.

    ResponderExcluir